Autor(a):Kasie West
Editora: Verus
Páginas: 250
Nota:  (3/5) 


Sinopse: Quando Bradley, o namorado de Gia Montgomery, termina com ela no estacionamento do baile de formatura, ela precisa pensar rápido. Afinal, ela vem falando dele para suas amigas há meses. Esta era para ser a noite em que ela provaria que ele não é uma invenção de sua cabeça. Então, quando vê um garoto esperando pela irmã no estacionamento do baile, Gia o recruta para ajudá-la. A tarefa é simples: passar por namorado dela - apenas duas horas, nenhum compromisso, algumas mentirinhas. Depois disso, ela pode tentar reconquistar o verdadeiro Bradley. 
O problema é que, alguns dias depois do baile, não é em Bradley que Gia está pensando, mas no substituto. Aquele cujo nome ela nem sabe. Mas localizá-lo não significa que o relacionamento de mentira deles acabou. Gia deve um favor a esse cara, e a irmã dele tem a solução perfeita: a festa de formatura da ex-namorada dele - apenas três horas, nenhum compromisso, algumas mentirinhas. 
E, justamente quando Gia começa a se perguntar se pode transformar seu namorado falso em real, Bradley reaparece, expondo sua farsa e ameaçando destruir suas amizades e seu novo relacionamento. 
Inteligente e maravilhosamente romântico, Namorado de aluguel retrata a jornada inesperada de uma garota para encontrar o amor - e possivelmente até a si mesma.

Minhas Impressões: Fofo, fofo e mais fofo. Gente que livro mais gostosinho de ler. Pela sinopse, já  se percebe  o rumo que a história vai tomar. (clichê, eu sei, ah mas é tão lindo de fofo). A parte legal desse livro é seu desenvolvimento, que te prende do início ao fim, devorei em algumas horas de tão gostosa que é a leitura.
O romance é desenvolvido no tempo certo e as cenas envolvendo os protagonistas, sempre te fazem sorrir, por serem divertidas e fofas, (claro) os diálogos simples, naturais e bem dinâmicos. É aquele livro que você fica torcendo para o casal, odeia a amiga fura olho, e fica com aquele  frio na barriga a leitura toda.  
Esse é um daqueles livros que tem o poder de curar uma ressaca literária, e você, fica suspirando tipo filme da Disney? Aiiinnnn gente estou apaixonada por ele.  E a capa? Linda! 
Mas, ( sempre tem um né? ) apesar de todos os pontos positivos ( que são muitos) esperava que o desfecho fosse tão fofo quanto todo o livro, e não foi,  isso foi um pouco decepcionante, por isso dou 3 estrelas, mas elas brilham bastante tá? Rs.

Dê uma chance a esse  romance fofo, que com certeza vai te conquistar. *.*

Beijos e até o próximo post. 








Título: Restos Humanos
Autor(a): Elizabeth Haynes
Editora: Intrínseca


Páginas: 315   
Nota:  (3/5) 


Sinopse: Ao encontrar por acaso o corpo de uma vizinha em avançado estado de decomposição, Annabel Hayer, que trabalha com análise de informações para a polícia, fica horrorizada ao pensar que ninguém - e isso inclui ela mesma - sentiu falta daquela mulher. De volta ao trabalho, ela vasculha os arquivos policiais e encontra dados que mostram um aumento significativo de casos como aquele nos últimos meses em sua cidade. Conforme aprofunda a investigação, Annabel parece cada vez mais convencida de estar no rastro de um assassino, e é obrigada a enfrentar os próprios demônios e a própria fragilidade. Será que alguém perceberia se ela simplesmente desaparecesse? Um thriller psicológico extremamente perturbador, Restos humanos fala de nossos medos mais obscuros, mostrando como somos vulneráveis - e a facilidade com que vidas podem ser destruídas quando não há ninguém que se importe com elas. Você conhece bem seus vizinhos? Saberia dizer se eles estão vivos ou mortos?

Minhas Impressões: O livro é contado através da perspectiva de dois personagens: Annabel Hayer e Colin Friedland,  e a medida que nos envolvemos com  a estória  queremos descobrir o que esses dois têm em comum, e como a vida deles vai se cruzar ao longo da história.
Annabel é uma mulher solitária, com seus 30 e poucos anos, que mora com sua gata Lucy na cidade de Briarstone. Ela trabalha em um departamento de pesquisa da polícia local, mas não tem nenhum amigo. Uma mulher fechada, uma personagem que não te cativa em nada. Mas tudo muda quando ela acaba encontrando o corpo de sua vizinha, Shelley de 43 anos, em decomposição na sala de estar. Com a curiosidade a aguçada Annabel começa uma pesquisa sobre quem era Shelley e descobre outros corpos em decomposição em toda a cidade.
Colin, também na casa dos 30 anos, trabalha no departamento de tecnologia e informação do conselho municipal, mora sozinho, só tem um amigo, sua mãe esta internada  em uma casa de repouso, onde ele não tem a mínima vontade de ir. Sua vida se resume em estudar e academia, você não da nada por ele, mas não se engane.
Quando à investigação  a respeito dos corpos se intensifica, acontece algo inédito, Annabel é vitima de sua própria investigação, choquei gente, o cara tem o poder de entrar na mente da pessoa e... Puff.
O assunto abordado é muito diferente e interessante e foge totalmente dos romances polícias que eu já li antes, além disso, é possível entrar na mente do assassino e das vítimas, da um medinho básico tenho que admitir.
Em resumo, o livro começa monótono, o meio é sensacional e o fim....bem ruinzinho...eu esperava um suuuuuuuper desfecho, mas não rolou, porém fiquei tensa até a última página, então no final, valeu muito a pena. 

Quem ai já leu? Deixe sua opinião aqui nos comentários.


Beijos e até o próximo post. 


Mais um lançamento da querida autora Jojo Moyes, já quero muito esse livro. Amei a capa.


Sinopse: Austrália, 1946. É terminada a Segunda Guerra Mundial, chega o momento de retomar a vida e apostar novamente no amor. Mais de seiscentas mulheres embarcam em um navio com destino a Inglaterra para encontrar os soldados ingleses com quem se casaram durante o conflito. 

Em Sydney, Austrália, quatro mulheres com personalidades fortes embarcam em uma extraordinária viagem a bordo do HMS Victoria, um porta-aviões que as levará, junto de outras noivas, armas, aeronaves e mil oficiais da Marinha, até a distante Inglaterra. As regras no navio são rígidas, mas o destino que reuniu todos ali, homens e mulheres atravessando mares, será implacável ao entrelaçar e modificar para sempre suas vidas. 
Enquanto desbravam oceanos, os antigos amores e as promessas do passado parecem memórias distantes. Ao longo da viagem de seis semanas - apesar de permeada por medos, incertezas e esperanças - amizades são formadas, mistérios são revelados, destinos são selados e o felizes para sempre de outrora não é mais a garantia do futuro que foi planejado.
Com personagens únicas e uma narrativa tocante, Jojo Moyes conta uma história inesquecível que captura perfeitamente o espírito romântico e de aventura desse período da História, destacando a bravura de inúmeras mulheres que arriscaram tudo em busca de um sonho.


Já entrou em Pré-Venda o novo livro da autora Paula Pimenta, inspirado na "Pequena Sereia" da Disney.


Sinopse: Arielle Botrel é uma nadadora famosa, prestes a viver o maior desafio de sua vida: participar das Olimpíadas pela primeira vez. Porém, ao contrário do que todos pensam, ela não possui tudo que deseja. Por ser a filha caçula de uma grande família, a garota é muito protegida e, apesar das medalhas e dos troféus, sonha com uma vida diferente, onde possa ser livre. Até que um dia um acidente faz tudo mudar. Arielle é apresentada a um mundo diferente... E nele existe alguém que vira sua vida de cabeça para baixo. Porém, para conquistá-lo, ela terá que abrir mão de sua voz. Será que Arielle vai conseguir conquistar esse príncipe sem palavras? E se no coração dele já existir outra princesa?


Autor(a): Kiera Cass
Editora:Seguinte
Páginas: 310
Nota:  (2/5)

Sinopse: Em A Herdeira, o universo de a Seleção entrou numa nova era. Vinte anos se passaram desde que America Singer e o príncipe Maxon se apaixonaram, e a filha do casal é a primeira princesa a passar por sua própria seleção. 
Eadlyn não acreditava que encontraria um companheiro entre os trinta e cinco pretendentes do concurso, muito menos o amor verdadeiro. Mas às vezes o coração prega peças… e agora Eadlyn precisa fazer uma escolha muito mais difícil - e importante - do que esperava. 
America Singer e o Príncipe Maxon se apaixonaram, e a filha do casal é a primeira princesa a passar por sua própria seleção. 
Eadlyn não acreditava que encontraria um companheiro entre os trinta e cinco pretendentes do concurso, muito menos o amor verdadeiro. Mas às vezes o coração prega peças… e agora Eadlyn precisa fazer uma escolha muito mais difícil - e importante - do que esperava.

Minhas Impressões: E aqui estamos nós para mais uma resenha, desta série que parece que não tem fim! Senhor!  Quase que não leio esse livro, visto que a Herdeira foi uma completa decepção, mas fazer o que, se meu coração é frágil?
A narrativa como sempre é maravilhosa, flui muito bem, mas não é nada empolgante, e em muitos aspectos chega a ser enfadonha e previsível.  Mas confesso que Eadlyn  está menos insuportável.
O livro já se inicia com Eadlyn como rainha, alguns acontecimentos em “ A Herdeira” fizeram Maxon se afastar do trono ( Não trabalhamos com spoiler aqui, rs). A vida dela fica mais corrida do que nunca, imagina, governar um país, problemas com os pais, dois irmãos mais novos pra cuidar, e de quebra ter que escolher um marido o mais rápido possível, não estava nada “tranquilo” muito menos “favorável” para Eadlyn.
Mas não para por ai, o  povo esta cada vez mais insatisfeito com o rumo de Illéa e com o governo de Eadlyn, a abolição das castas trouxe desordem e preconceitos daqueles que eram de castas mais elevadas. O que fazer? Conseguir alianças seria a melhor escolha, se ela já não tivesse feito uma aliança errada.


No geral, ”A Coroa” foi uma leitura agradável, mas não muito empolgante. Há reviravoltas consideráveis na seleção, que tornam o livro mais interessante. Também neste livro há  algumas revelações da época da seleção de Maxon e isso é incrível,  bate aquela saudade gostosa dos primeiros livros da série.
Bom, eu gostei, ou melhor, eu odiei menos que o anterior, mas na minha opinião, Kiera teria parado em "A Escolha",  ainda tem muita coisa que ela simplesmente jogou no ar e não explicou, deixando algumas lacunas na estória, e isso me deixou bem irritada, por isso dou apenas duas estrelinhas não brilhantes...Haha.

E vocês leram? Quero saber a opinião de vocês, deixem aqui nos comentários.

Beijos e até o próximo post.




Obs: Para aqueles que já leram A HerdeiraA Coroa, não deixe de ler o Epílogo Extra, disponibilizado apenas na versão americana, mas que foi gentilmente traduzido por fãs brasileiros. 


Em uma edição exclusiva para a livraria Barnes & Noble, o livro A coroa de Kiera Cass veio com um epílogo bônus, não foi trazido para o Brasil por ser exclusividade da livraria. O texto original de The Bonus Epilogue to The Crown foi traduzido pelo blog Jornal Oficial de Illéia.

Tradução de Camila Lima

SEIS ANOS DEPOIS
— Eady, você pode me ajudar por favor? — Josie me estendeu o alfinete e a faixa. Dava para ver que ela tentava esconder como estava nervosa.
— Claro.
— Se esse vestido manchar de sangue, juro que…
— Não tem nada com que se preocupar — garanti.  — Você está em excelentes mãos. Agora, olhe para mim e respire.
O salão estava abarrotado de pessoas, mas todos já pareciam estar em clima de festa. A pobre Josie estava dando o seu melhor só para terminar de se vestir. Puxei a faixa azul — um símbolo de seu status quase real — apertada em torno do decote coração de seu vestido e a prendi no lugar, alisando-a em volta do corpete para que caísse em seu quadril sem fazer nenhuma sujeira.
— Aí está. Nada de sangue. Nem mesmo uma gota de suor. — Fiquei atrás dela, segurando seus ombros e observando-a no espelho.  — Você dá uma linda noiva.
Ela fez que sim com a cabeça, os lábios pressionados.
— Ainda bem que pareço perfeita por fora, porque por dentro me sinto uma bagunça.
Eu ri.
— Você e todas as outras noivas da história. Eu quis sair correndo na direção do Eikko até o altar, estava tão pronta para ser a esposa dele. Mas só de pensar em passar mesmo pela cerimônia e todos os votos… — Balancei minha cabeça.
— Eu me lembro. Nunca tinha visto ninguém vomitar com tamanha elegância.
— Ei — disse, apontando o dedo para seu reflexo. — Era para nós nunca mais falarmos nisso.
Com essa, finalmente um sorriso apareceu em seu rosto, e decidi que, se tivesse que passar o resto do dia fazendo piada das minhas muitas derrapadas só para acalmar os nervos dela, faria isso.
— Vamos entrar no carro em quinze minutos — lembrei-a. — Deixe-me ir buscar nossa florista e checar os rapazes e já estaremos prontos para ir.
Josie assentiu, começando algum tipo de exercício de respiração. Acenei para Shannon.
— Você é a dama de honra dela. Você precisa mantê-la calma.
— Pode deixar.
Desapareci no corredor, apreciando o ar fresco. Com todos os vários familiares, as madrinhas e os amigos, aquele salão estava cheio demais. Mas o que eu poderia dizer? O casamento de Josie estava quase tão agitado quanto o meu fora.
Todos os salões do andar de baixo estavam sendo usados com algum propósito, hoje. Refeições em um, algumas fotografias no outro. Nós até transformamos um deles em um berçário temporário só para manter nossa princesinha perto de todo mundo. Mas, ao virar o corredor, vi que o ele não foi necessário.
Kerttu girava e girava pelo corredor, rodeada de admiradores, e sorri, observando à distância. Eikko estava sentado chão, com o paletó jogado de lado, e aplaudia enquanto meus pais assistiam do corredor. Osten já fora derrotado pela sobrinha e estava comicamente apoiado em um cotovelo, balançando a cabeça para ela.
— É lindo, sötsi — Eikko disse.
— Esse é o melhor vestido de todos! Posso usá-lo todos os dias?
— Pode — ele respondeu. — Até para dormir, se quiser.
Revirei meus olhos. Que puxa-saco.
— Querida, esse vestido é tão estufado que você vai sair rolando da cama.
Desci até o salão, e ela deu meia volta e esticou os braços para mim.
— Mamãe, mamãe!
Ajoelhei-me para abraçá-la.
— Você está maravilhosa, Kerttu. Estão todos prontos?
— Eu joguei todas as minhas pétalas no tio Osten.
Dei uma espiada e ele olhou para mim como se aquela tivesse sido uma batalha muito séria. Parecia que Kerttu tinha um pouco de cada um dos meus irmãos. Ela era encantadora como Ahren, um prodígio como Kaden e tão levada quanto Osten, de modo que nunca sabíamos que aspecto dela teríamos em momentos específicos. Mas, é claro, ela era preciosa demais para ser censurada, mesmo quando recebíamos um mau comportamento em vez de doçura.
Eu ri.
— Boa menina.
Ela se aninhou em mim, colocando as mãos contra minha barriga, um novo hábito que eu era incapaz de romper.
— Olá, bebê. Você já é uma menina?
— Awn, meu amor, eu já te disse. Vai demorar um tempo até sabermos. — Dei leves batidinhas em seu cabelo, tentando não bagunçá-lo. — E ele pode já ser um garoto.
— Tente ser uma garota — ela disse colada em meu vestido, encolhendo as mãos em forma de concha para garantir que suas palavras fossem ouvidas.
— Como está se sentindo, Majestade? — Eikko brincou, beijando minha testa.
— Estou ótima. A noiva está um pouco nervosa.
Ele deu de ombros.
— Acho que é normal. Se eu bem me lembro, você estava ainda pior quando nos casamos. Você não estava…?
— Por que ninguém consegue deixar isso de lado? — Balancei minha cabeça para ele, mas ele apenas ria. — Vamos, Kerttu. Vamos ver a tia Josie. Aposto que você vai animá-la.
— Eu animo todo mundo.
— Reúna os rapazes — instruí Eikko. Ele me encarou por um momento, parecendo inquieto.
— Claro. — E saiu sorrindo. Me perguntei se ele estava se lembrando do nosso casamento, pensando no que estava por vir ou simplesmente avaliando sobre como eu estava deslumbrante, uma distração que ele confessara sofrer várias vezes ao dia.
— Vem, bebê. — Kerttu colocou as mãos em minha cintura, ficando o mais perto possível do futuro irmão ou irmã.
O público ainda não sabia, e eu mal tinha barriga para mostrar. Esperava que alguns babados bem colocados ajudassem a esconder a verdade por um pouco mais de tempo. Meu medo era ter cometido um erro ao contar a Kerttu. Eu certamente não queria que ela espalhasse a notícia hoje. Josie realmente merecia ter um dia maravilhoso com toda a atenção para si.
— Kerttu! — Neena chamou ao voltarmos para dentro do salão. Olhei para Josie e a vi virando uma taça de champanhe. Esperava que isso a acalmasse. — Você está tão linda. Está animada?
— O papai disse que posso usar meu vestido todos os dias!
Todos ao alcance de sua voz riram.
— Não estou surpresa — Neena respondeu antes de se virar para mim. — Entrei em contato com a igreja e os convidados já começaram a chegar. O salão principal está arrumado para a recepção e tudo que temos que fazer agora, na verdade, é esperar pelo casamento.
— Perfeito. Eikko está reunindo os garotos e minha mãe e meu pai já estão no salão, então acho que já podemos ir. Isto é, se ela estiver pronta. — Apontei com a cabeça para Josie.
— Eu realmente pensei que este dia seria o ponto alto da vida dela. Mas ela parece estar mais nervosa que animada.
Estreitei os olhos em sua direção e a verdade me esmagou. Na verdade, era bem simples.
— Vou falar com ela. Certifique-se de que os rapazes estão entrando no carro e estarei logo atrás de você.
Me movi pelo salão, distribuindo os buquês e verificando se todos os detalhes estavam arrumados. O decoro exigia que eu não fizesse parte do verdadeiro grupo de madrinhas, mas pelo menos ficar perto delas significava cuidar de coisas que os outros não perceberiam.
Após ajeitar o laço do vestido de Kerttu pela quinta e — assim esperava — última vez, uma criada colocou a cabeça entre a porta.
— Está na hora, Majestade.
— Obrigada — disse e virei para Josie. — Pronta?
Josie congelou.
— Sim.  Tudo bem.
Mas seus olhos tremiam levemente e me perguntei se ela sequer conseguiria chegar à porta da frente.
No amplo foyer, todos já estavam alinhados enquanto Kerttu dançava em círculos ao redor da festa. Ela tinha se saído tão bem quando treinamos, e esperava que passasse pela cerimônia sem rodopiar pelo altar. Comecei a ter minhas dúvidas.
— Tudo bem — disse para Josie. — Está na hora de ir.
Ela encarou as grandes portas abertas, os carros esperando na entrada dos carros. Havia apenas um leve ruído do vento sobre as árvores… o dia perfeito para um casamento.
— Preciso de um minuto.
— Josie.
Ela colocou uma mão em torno da barriga.
— Só um minuto.
Coloquei-a de pé, segurando seus ombros.
— Ei. Eu entendo. De verdade.
— Eu o amo. Então por que estou tremendo?
— Porque é assustador receber tudo o que sempre quis.
Seus olhos encontraram os meus. Ela fez que sim.
— Mas você não precisa se preocupar. É só uma caminhada até o altar. E quando você chegar lá, Kaden vai segurar sua mão, vocês vão dizer umas palavras, coisas em que já pensou um milhão de vezes. Depois você vai receber uma coroa, mas é basicamente ficar lá e ser bonita, e você já está maravilhosa, então será só mais um acessório. — Dei de ombros. — É fácil, de verdade.
Ela me observou, o peito se movendo regularmente enquanto se esforçava para desacelerar a respiração.
— Fácil — repetiu. — Caminhar, algumas palavras, algumas joias.
— Exatamente. E então finalmente vou poder te chamar de minha irmã.
Ela sorriu.
— Você também pode me chamar de princesa Josephine Schreave.
— É, mas eu provavelmente vou ficar com “ei, você” — brinquei.
Não mereci sua risada, mas valeu totalmente a pena.
— Obrigada.
— Não há de quê. Está pronta agora?
Ela assentiu.
— Acho que sim.
Após respirar fundo, ela deu dois passos rápidos para frente e me abraçou.
— Estão tão feliz por você, Josie.
— Obrigada. Não acredito que isso está…
Sua voz sumiu rapidamente e olhei para trás para ver o que havia a feito parar. Uma gafe terrível foi cometida. Eu pensei que os rapazes já estavam a caminho da igreja, mas eles estavam descendo para o salão com Neena. Eikko, Kile, e, o pior de todos, o próprio noivo.
— Josie — arfei —, eu sinto muito! Eu pensei que…
Mas ela não escutou nada. Seus olhos estavam focados em Kaden, que estava encantado do outro lado do salão. Eu o vi piscar repetidamente, tentando controlar as lágrimas. Josie me soltou e andou lentamente na direção de seu noivo, e ele colocou suas mãos no peito, balançando a cabeça como se não pudesse acreditar em como ela estava deslumbrante.
Um momento depois todos já estavam se misturando. Kile e sua esposa, Alice, afagavam as costas de Josie, enquanto minha mãe e a madame Marlee estavam afastando lágrimas dos olhos. Camille correu para Ahren e Shannon estava fazendo contato visual com o primo que Camille trouxera. Meu pai estava com um joelho no chão, tentando controlar Kerttu, enquanto Osten parecia estar se escondendo dela. Senti que meu coração poderia explodir de felicidade.
— Nós vamos nos atrasar — Neena sussurrou em meu ouvido.
Olhei para a cena feliz, tantas pessoas que eu amava em um só lugar, sorrindo, chorando, simplesmente respirando, e dei de ombros.
— Todos os outros podem esperar.
Ela riu.
— Vamos simplesmente dizer que os convidados estavam muito adiantados.
— Gosto de como você pensa.
Ela balançou a cabeça.
— Se alguém tivesse me dito dez anos atrás como a vida teria se desenrolado, acho que não teria sido capaz de imaginar nada assim.
— Não — disse, observando minha família, pensando em como ela estava crescendo rapidamente. Flagrei Eikko me observando, seu rosto lindo e completamente calmo, me olhando como se eu fosse a razão para o sol nascer. — Mas é muito melhor do que qualquer coisa que eu poderia ter sonhado.
— Tudo bem, tudo bem — minha mãe disse acima do barulho. — Nós realmente temos que ir.
Kaden beijou a bochecha de Josie.
— Vejo você daqui a pouco, amor.
Ela fez que sim com a cabeça, seu humor totalmente mudado. E eu conseguia ver… ali estava a nova princesa.
Nós nos organizamos, nos preparando para o resto do dia. Kaden fez um breve aceno ao entrar no carro com os outros, e as damas checavam mais uma vez suas roupas, esperando nossa vez. Eu escutava todos aqueles sons do meu mundo: a risada da minha mãe, a respiração de Josie e a cantoria de Kerttu. Absorvi todos eles.
E a vida, como sempre faz, seguiu em frente.